sábado, 13 de fevereiro de 2016

Faltam respiradores: sete mortes no Tarcísio Maia são responsabilidade dos governos



Carnaval é um tempo de festejos e descontração. Entretanto,  para os profissionais que trabalharam no Hospital Regional Tarcísio Maia,  o carnaval foi um verdadeiro pesadelo.  O fio da vida de 7 pacientes foi cortado, sete óbitos que poderiam ter sido evitados com um equipamento hospitalar muito simples: um respirador ou ventilador mecânico.

O caos no Tarcísio Maia já é de conhecimento público. A carência de respiradores mecânicos na unidade já vem se perpetuando, só existem 10 em todo o Hospital que chega a atender centenas de pacientes por dia, de todo o oeste potiguar.  Equipamentos quebrados passam meses sem manuntenção,  faltam leitos de UTI, material hospitalar,  remédios. Trabalhadoras e trabalhadores são sobrecarregados todo dia,  sem condições de trabalho e estrutura dignas e adequadas para servidores e pacientes. Para ilustrar a situação crítica, no plantão sangrento de 08/02 apenas 3 (três) técnicos de enfermagem atendiam 26 pacientes no repouso masculino. Tudo isso faz parte do processo de sucateamento da saúde pública brasileira.

Com o ajuste fiscal,  o governo Dilma-PT cortou 3, 6 bilhões de reais da saúde só em 2015, tudo para pagar juros a banqueiros e agiotas internacionais pela dívida pública. Robson Faria é obcecado pelo fechamento dos hospitais de Mossoró,  já tentando pela segunda vez fechar o Hospital da Mulher  e agora o Hospital da Polícia, e sucateando o Hospital Tarcísio Maia.

É obrigação do governo a compra e manuntenção de respiradores mecânicos e do material hospitalar.   Cabe também ao governo a ampliação de leitos da UTI e da infraestrutura,  como também a realização de concurso público para vencer a sobrecarga que adoece os profissionais.  É bem  claro que quem deve ser responsabilizado pelas mortes no carnaval do Tarcísio Maia são os governos Dilma,  Robson Faria, o secretário de saúde Ricardo Lagreca,  e os parlamentos unidos pelo ajuste fiscal.

Se o Estado atua por cortar investimentos na saúde pública e deixa o caos ser instaurado no SUS, de pouco adianta a coragem e o heroísmo dos profissionais da saúde.  É necessário ampliar os investimentos na saúde pública,  para oferecer estrutura e condições de trabalho dignas para trabalhadores e pacientes.  Chega de cortes,  sucateamento e privatização.  Enquanto pacientes morrem em corredores dos hospitais,  e os profissionais adoecem com seu trabalho,  os governantes viram às costas ao povo pobre para oferecer todas as vantagens e privilégios a banqueiros e empresários.

2 comentários:

  1. Esse governo não tem dinheiro pra saúde mais dá quatrocentos mil reais pra promover um carnaval,pra isso ele tem...haha fala sério pra quem votou nesse otário!!!

    ResponderExcluir
  2. Quem mandou votar,agora aguenta!!!!

    ResponderExcluir