quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Caraúbas: Trabalhadores se reúnem com Sindsaúde


Trabalhadoras e trabalhadores da saúde de Caraúbas se reuniram com diretores do Sindsaúde. A reunião ocorreu  no Hospital Regional de Caraúbas, na manhã desta terça-feira 07/02.

Durante a reunião, foram repassados informes sobre a ação que o Sindsaúde ganhou contra o Governo do Estado, pelo pagamento dos salários em dia, bem como sobre o movimento unificado do Fórum dos Servidores do Estado no próximo dia 15. Discutiu-se e foram esclarecidas dúvidas sobre aposentadoria, insalubridade e produtividade com profissionais presentes.

A visita da direção do Sindicato dos Servidores da Saúde do RN à Caraúbas foi uma de uma série de reuniões de base em local de trabalho, promovidas pelo Sindsaúde no interior do Estado. Além de Caraúbas, também ocorreram reuniões em Assú e Triunfo Potiguar.





Errata

A Assessoria de Comunicação do Sindsaúde Mossoró vem a público noticiar Errata em relação à matéria ''Assú: Sindsaúde reinvindica melhorias frente ao secretário de saúde''. Na notícia publicada nesta terça 07 de fevereiro havia no título e no corpo do texto que a reunião teria sido com a secretaria de saúde do município de Apodi. A audiência foi em Assú, nesta segunda 06/02, com secretário de saúde Luiz Eduardo. O texto já foi corrigido no blog do Sindsaúde Mossoró.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Assú: Sindsaúde reinvindica melhorias frente ao secretário de saúde


Sindsaúde, junto das trabalhadoras e trabalhadores, participa de audiência com secretário da Saúde de Assú

O Sindsaúde, junto de profissionais associados da base, participou de audiência com o secretário de saúde de Assú, Luiz Eduardo, nesta segunda-feira 06/02. Na ocasião, reinvindicaram-se melhorias há tempo pleiteadas pelos trabalhadores da saúde pública. Além do pagamento dos vencimentos em dia, discutiu a revisão da porcentagem de aplicação do PMAQ e medidas de combate ao assédio moral.

O PMAQ trata-se de recursos de origem federal direcionada aos municípios, com o objetivo exclusivo de investimento nas equipes de cuidado à atenção básica. Todavia, o que ocorre é que os gestores represam parte desses recursos, ou até deixam de pagar a quantia devida aos trabalhadores. A luta pelo uso devido desse recurso é uma causa permanente do Sindsaúde.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Solidariedade à greve dos guardas municipais de Mossoró



O Sindsaúde Mossoró vem por meio desta nota expressar solidariedade ao movimento paredista dos guardas municipais de Mossoró. A greve é necessária,  por salário e por direitos, e é um exemplo para todo o funcionalismo público. 

Não são apenas os guardas ou os servidores de Mossoró que estão trabalhando sem receber salários em dia. O problema é geral, afeta os servidores de outros municípios e também do Estado. Além disso, o governo e o Congresso discutem bombas contra os trabalhadores, como a reforma da Previdência, a reforma Trabalhista, e aprovam o novo regime fiscal (ex-PEC 55), que congela investimentos sociais em saúde e educação, mas reserva mais da metade da receita para banqueiros e grandes empresários na forma da dívida pública. É cada dia mais necessária a construção da greve geral, e pressionarmos a CUT, CTB e outras centrais para chamar um grande dia de luta.

Fora Girão foi um grito que unificou o ato público dos guardas municipais em greve que ocorreu ontém 02/02. Repudiamos, junto com entidades sindicais de todo o Brasil, as declarações antidemocráticas do ex-general e atual secretário de segurança pública de Mossoró Eliéser Girão. O atual secretário é um inimigo das organizações da classe trabalhadora, e culpa os sindicatos pelos problemas que os próprios governos criam. Esta ideologia é herança da linha dura da ditadura militar, responsável pela tortura e morte de milhares de ativistas operários e defensores dos direitos políticos e sociais. Esta velharia deve ser jogada na lata de lixo da história.

Os guardas municipais, com sua atitude compreenderam a situação nacional. Entra governo e sai governo, os discursos são os mesmos, e a classe trabalhadora continua sendo atacada. Os governos continuam fazendo a classe trabalhadora pagar pela crise. Por isso dizemos Fora Temer e Fora Todos eles que atacam os trabalhadores. 


quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Profissionais de enfermagem do Tarcísio Maia sofrem sobrecarga de trabalho em 42% das vezes

Trabalhar sobrecarregado é praticamente a regra no Tarcísio Maia. A função de fiscalização deveria estar sendo exercida pelo COREN.

A Resolução 527 do Conselho Federal de Enfermagem determina a quantidade apropriada de profissionais de enfermagem por paciente. Estes parâmetros são importantes para garantir um atendimento digno para os pacientes, bem como para delimitar parâmetros para delimitar a sobrecarga de trabalho.

Segundo o artigo 3º da resolução, um profissional de enfermagem deve dedicar ao menos 4 (quatro) horas de enfermagem por paciente. Uma equipe de um enfermeiro e dois técnico/auxiliar de enfermagem deve cuidar de no máximo 18 pacientes em um plantão de 24 horas.   Contudo, as cifras do Tarcísio Maia costumam ser bem maiores.


O Sindsaúde Mossoró já denunciou situações de sobrecarga excessiva de trabalho, como no plantão em que apenas duas técnicas de enfermagem suportavam a demanda de 42 (quarenta e dois) pacientes (foto acima), ou quando apenas 1 (um) técnico de enfermagem atendia 32 (trinta e dois) pacientes ao mesmo tempo.

No Hospital Regional Tarcísio Maia, os profissionais de enfermagem estão sujeitos à sobrecarga de trabalho em pelo menos 42% das vezes. Atinge-se este número quando cruza-se os parâmetros do Conselho Federal de Enfermagem com a capacidade de leitos no HRTM (Pronto Socorro) e o número de pacientes em macas e em corredores, nos levantamentos do Corredômetro-RN.

É atribuição do COREN a fiscalização do exercício profissional da enfermagem, e por isso os servidores pagam a anuidade e inclusive a taxa de renovação da carteirinha. Cobramos, portanto, dos representantes do COREN para que visitem as dependências do Hospital Tarcísio Maia, com o intuito de realizar um dimensionamento de vagas, e aferir as condições de trabalho  e a ocorrência de sobrecarga de trabalho na unidade hospitalar.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Nota de repúdio às declarações antidemocráticas do Secretário de Segurança de Mossoró Eliéser Girão



É espantosa a disseminação na sociedade de discursos perversos que buscam desacreditar, responsabilizar e criminalizar sindicatos e movimentos sociais. Estes discursos visam criar um ambiente tranquilo para, de um lado, retirar direitos dos trabalhadores e trabalhadoras e, de outro, aumentar os lucros do capital nacional e internacional.


Recentemente, a fala do secretário de Segurança Pública, Defesa Civil e Mobilidade Urbana de Mossoró/RN, o Sr. Eliéser Girão (General do Exército), que acusa as atitudes sindicais de “nos levarem a situação de hoje, um país que está sem ordem, tentando retornar o progresso”, é digna de veemente repúdio de todas as organizações sindicais e movimentos sociais. Isto porque as palavras do secretário, não são isoladas, elas representam a síntese de um movimento coordenado difundido pelo pensamento conservador e repressivo que visa impor ainda mais a desconstrução dos direitos sociais com reflexo nas lutas protagonizadas pelos sindicatos.



Em vista disso, diversas organizações sindicais representativas dos trabalhadores e trabalhadoras (Centrais Sindicais, Confederações, Federações e Sindicatos) repudiam as atitudes antissindicais do Secretário Eliéser Girão, bem como prestam solidariedade ao SINDGUARDAS, que tem enfrentado o autoritarismo e o desrespeito na negociação da greve dos guardas municipais de Mossoró.



Para concluir, reafirmamos que os sindicatos lutam para defender princípios constitucionais no sentido de construir uma sociedade livre, justa e solidária. Exigimos uma retratação do Secretário Eliéser Girão e conclamamos a uma luta pela superação do aparato regimental proveniente dos porões da ditadura militar porque a nossa luta é pela democracia e por respeito à dignidade humana.

Assinam esta nota:
·      Central Única dos Trabalhadores – CUT
·      Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB/RN
·      Central Sindical Popular – Conlutas
·      Central da Classe Trabalhadora – Intersindical
·      Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE
·      Confederação Nacional do Comércio, Bens e Serviço – CONTRACS
·      Confederação Nacional dos Metalúrgicos – CNM
·      Federação dos Trabalhadores no Comércio de Bens e Serviços do RN – Fetracs/RN
·      Federação Interestadual dos Metalúrgicos do Nordeste – Fimetal/RN
·      Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Mossoró – Sindiserpum
·      Sindicato da Guarda Municipal do RN – Sindguardas/RN
·      Sindimetal Mossoró e Região
·      Sindicato dos Empregados do Comércio Hoteleiro de Mossoró e Região Oeste do RN – Sindhoteleiros
·      Sindicato dos Empregados do Comércio de Mossoró e Médio Oeste do RN – Secom
·      Sindicato dos Trabalhadores em Laboratórios e Saúde Privada de Mossoró – Sintrahpan
·      Sindicato dos Petroleiros e Petroleiras – Sindipetro/RN
·      Sindicato dos Trabalhadores Federais em Previdência, Saúde e Trabalho do RN – Sindprevs núcleo de Mossoró e região
·      Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Rio Grande do Norte – SINTE – regional de Mossoró
·      Sindicato dos Bancários de Mossoró e Região
·      Sindicato dos Trabalhadores da Saúde do Estado do Rio Grande do Norte – Sindsaúde
·      Sindicato dos Servidores Públicos da Administração Indireta do RN – Sinai
·      Associação dos Docentes da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – Aduern

·      Fórum dos Servidores Públicos do Rio Grande do Norte – Seção Mossoró".

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Nota pública do Sindsaúde-RN sobre a visita do governador à Mossoró



Sindsaúde repudia declarações feitas pelo analista político Daniel Menezes sobre visita do governador a Mossoró e do ato realizado no Tarcísio Maia 

O Sindicato dos Servidores em Saúde do Rio Grande do Norte (Sindsaúde-RN) vem à público repudiar os artigos publicados no blog ‘O Potiguar ’, de Daniel Menezes, e no site ‘AgoraRN’, nesta quinta-feira (12), acerca da visita do governador a Mossoró e do ato público realizado no hospital Tarcísio Maia.

O analista político afirma que o protesto foi articulado pela vereadora Sandra Rosado e a deputada estadual Larissa Rosado, do PMDB, com objetivo de desgastar o governo Robinson Faria (PSD).

O Sindsaúde, fundado há 25 anos, preserva sua independência política e não é marionete de ninguém. O ato público em Mossoró foi um protesto legítimo que reuniu trabalhadores da saúde, professores e alunos da UERN, sem qualquer tipo de relação com grupos políticos citados. E mesmo com a inibição do uso do carro de som por parte da polícia, não faltou voz para os trabalhadores fazerem suas denúncias.

Não é necessário incentivo ou estímulo para protestar contra o governo Robinson. Até o momento nossos salários estão atrasados. O governador fechou o Hospital da Polícia e o Hospital da Mulher e, em um ano, a quantidade de pacientes em macas no Tarcísio Maia dobrou.

Para não passar pelo protesto, o governador optou por entrar pela porta dos fundos do hospital. Só após muita pressão dos trabalhadores e do Sindsaúde, Robinson aceitou receber uma comissão composta por servidores e pelo sindicato, que entregou uma pauta de reivindicações de melhorias para a saúde pública de Mossoró e região. 

Novamente recusamos qualquer tentativa de vincular a manifestação legitima à grupos políticos, que também são responsáveis pela destruição da saúde e pelo atraso e desigualdade social do nosso estado.

Lamentamos que o blogueiro tenha deixado de se pautar pela necessária independência política, agindo como instrumento na eterna disputa entre as forças políticas da elite que se revezam no comando do poder no RN.

 

Natal, 13 de janeiro de 2017

Sindsaúde-RN
Sindicato dos Servidores da Saúde do Rio Grande do Norte

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Robinson Faria é recepcionado no Tarcísio Maia com protesto



Sob forte protesto, Robinson Faria visitou o Hospital Tarcísio Maia na manhã desta quinta-feira 12/01. O governador entrou no Hospital pela porta dos fundos, fugindo dos trabalhadores que aguardavam na entrada. Os manifestantes, por sua vez, entraram no Hospital e encontraram-no. Robinson, por fim, aceitou receber os trabalhadores – ocasião em que o Sindsaúde entregou uma pauta de reinvindicações de melhorias para a saúde pública de Mossoró e região.

O governador passou mais de 10 meses sem cumprir agenda na segunda maior cidade do RN, desde que foi recebido com forte protesto e encurralado por estudantes e trabalhadores da UERN em março do ano passado.  De lá para cá, a relação de Robinson com Mossoró piorou bastante. Seu governo foi responsável pelo fechamento do Hospital da Polícia e do Hospital da Mulher só no ano passado, e ainda ameaçou fechar o Hospital de Apodi, o que fez a população da cidade tomar as ruas.

No diálogo que teve com diretores do Sindsaúde e trabalhadores do HRTM, Robinson garantiu em prosseguir a reforma do Tarcísio Maia - com a construção de 10 leitos de UTI e 6 leitos de UTI Pediátrica - o não-fechamento e reforma do Hospital Rafael Fernandes, e que o início das obras do Hospital Regional da Mulher se daria em março.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Informes de Janeiro


A Assessoria de Comunicação do Sindsaúde Mossoró vem informar à categoria que durante o mês de janeiro o sindicato funcionará somente pelas manhãs. O sindicato voltará a funcionar normalmente à tarde no mês de fevereiro.

Estamos em obras


A direção regional do Sindsaúde Mossoró está cuidando do patrimônio das sócias e sócios do sindicato. As paredes da secretaria foram restauradas e a sala do arquivo foi forrada. A direção também prevê reformas para a sala de estar e ambientação da entrada.


Sindsaúde Mossoró em obras para cuidar do patrimônio do associado




quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Posto de Saúde do Boa Vista fecha por falta de material

Foto: Olivar Silveira



Funcionários da UBS do Boa Vista decidiram, com anuência da direção, encerrar as atividades do posto até o final de 2016. O motivo é a falta generalizada de material, que inviabiliza o funcionamento da unidade.

Falta seringa, vacina, luva, máscara, entre outros materiais essenciais para o desenvolvimento do trabalho dos servidores. “Nós não temos nada a oferecer a população. Lá no posto não tem nada. Falta tudo. Não temos seringa, vacina, papel, luva, máscara. Nós funcionários conversamos com a diretora e ficou decidido que só retornaríamos no dia 2 de janeiro. Lá não tem material de trabalho”, disse a funcionária em entrevista ao Jornal De Fato

Outros fatos, como problemas na infraestrutura da unidade, cadeira do dentista quebrada, atraso no pagamento do funcionalismo municipal da saúde e falta de segurança também motivaram a suspensão das atividades.


quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Tomógrafo do Tarcísio Maia é uma conquista dos trabalhadores



Após mais de um ano em falta, o tomógrafo foi reinstalado no Hospital Regional Tarcísio Maia neste mês de dezembro. A reinstalação do tomógrafo foi uma necessidade da população de Mossoró e região, bem como uma reivindicação histórica dos profissionais da saúde que foi enfim atendida.

O tomógrafo foi uma conquista da luta dos trabalhadores da saúde, junto da população. Não foi um favor do governo ou de algum deputado. O Sindsaúde Mossoró sempre denunciou a situação dos hospitais públicos e do SUS em geral e cobrou melhorias às autoridades. Pelo menos desde dezembro de 2015 nosso sindicato vem batendo na tecla do tomógrafo, seja na imprensa estadual (Tribuna do Norte), seja na imprensa local (Jornal deFato), seja pelo blog do Sindsaúde Mossoró [1] e [2]. Com a publicação do “Relatório sobre a questão do Tarcísio Maia” – amplamente divulgado nos meios de comunicação, conseguimos aliados como a OAB e o Ministério Público. E não fazendo apenas denúncias, mas também chamando atos públicos para cobrar melhorias para o hospital.

Repetimos: a instalação do tomógrafo não foi um favor da classe política. O povo de Mossoró não esqueceu os crimes de Robinson Faria: o fechamento do Hospital da Polícia e do Hospital da Mulher. As melhorias que vieram para o Tarcísio Maia vieram a duras penas para o Sistema Único de Saúde do oeste potiguar como um todo. Com o congelamento das verbas da saúde promovido pelo governo Temer, e os cortes e sucateamentos promovidos pelo governo Robinson, os trabalhadores da saúde devem começar 2017 com a certeza que só a luta muda a vida, ou no mínimo, só a luta será capaz de não piorar ainda mais a precária situação que a saúde pública já se encontra.  

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Confira as fotos da confraternização natalina do Sindsaúde Mossoró 2016

Neste sábado 17/12 o Sindsaúde Mossoró promoveu sua tradicional confraternização natalina das sócias e sócios. Confira aqui os registros em foto e vídeo desta animada festa, pois nem só de luta vivem os guerreiros!