quarta-feira, 18 de maio de 2016

30 anos de Tarcísio Maia. Quem merece os parabéns?



O Hospital Regional Tarcísio Maia completa 30 anos neste maio de 2016. Atende dezenas de municípios do oeste potiguar e é o segundo hospital público mais movimentado do estado. É o nosso maior patrimônio da saúde pública, do qual dependem as vidas de centenas de milhares de pessoas de Mossoró e região.


Lamentamos que os governos, invés de reconhecer a importância deste patrimônio, tratem-no como um gasto desnecessário, um fardo. Que permitam que as trabalhadoras e trabalhadores adoeçam e morram de tanto trabalhar, ao não realizar o concurso público tão prometido. O ajuste fiscal é o meio pelo qual a classe política joga a crise nas costas da classe trabalhadora: cortando da saúde, educação, moradia, reforma agrária, e nossos poucos direitos. Dilma começou cortando, sucateando da saúde. Já no governo Temer, o novo ministro da saúde Ricardo Barros, corrupto patrocinado pelos planos de saúde, já anunciou que planeja o golpe de misericórdia para privatizar o SUS. Não é por acaso que os servidores da saúde de todo o estado já se posicionaram pela construção de uma greve geral, para pôr para fora todos esses inimigos do povo, pela convocação de eleições gerais.

Nestes 30 anos do Tarcísio Maia, quem merece todos os parabéns é a categoria dos servidores da saúde que lá trabalham. Que enfrentam sobrecargas inacreditáveis de trabalho. Que vivem sua vida para salvar outras vidas. Que fazem o impossível para cumprir seu papel, mesmo faltando respiradores, leitos, remédios, material de higiene. Mesmo em meio ao colapso da saúde pública, damos os parabéns para as servidoras e servidores do Hospital Regional Tarcísio Maia. Na organização e movimento da nossa classe, a classe trabalhadora, depositamos a esperança de vencermos a crise com nossos direitos preservados. Sempre em defesa do SUS 100% público, gratuito e de qualidade.

domingo, 8 de maio de 2016

Angicos: Greve da enfermagem termina com vitória das servidoras





A greve da enfermagem de Angicos se encerrou nesta quarta-feira 04/05, após duas semanas de paralisação, com vitória das servidoras municipais de Angicos. Com o acordo de greve assinado, a categoria conquista:

1. Adicional de insalubridade fixado em 40%;
2. Custeio da moradia para as trabalhadoras que moram em outras cidades;
3. Avançar na implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários;

Prefeito tentou criminalizar greve,  mas a luta das trabalhadoras prevaleceu

A greve foi decidida por unanimidade em assembleia da enfermagem realizada na quarta-feira 13/04, após o não avanço dos diálogos com a gestão municipal. As trabalhadoras chamaram um ato público em frente à prefeitura na terça-feira, 19/04, que teve adesão dos estudantes universitários e que bloqueou o trânsito em frente à prefeitura. No decorrer da greve, o prefeito Júnior Batista (DEM) pediu a suspensão do movimento na justiça, mas foi derrotado por uma liminar, e a greve continuou. Após um novo protesto convocado pelo Sindsaúde Mossoró em frente à sede do executivo municipal, na segunda 02 de maio, o prefeito aceitou negociar com as trabalhadoras e cedeu em parte das reinvindicações.

A greve acabou mas a luta continua

A maior vitória da greve não são os ganhos econômicos, mas a consciência de que só a luta e a união entre os trabalhadores podem mudar nossa vida. Com o ajuste fiscal de todos os governos, que jogam a conta da crise nas costas da classe trabalhadora, é necessário se manter firme para mais ataques que virão. Neste sentido, o Sindsaúde, junto das servidoras de luta de Angicos, compromete-se em manter uma campanha pelas 30 horas, pelo reajuste salarial para suprir as perdas da inflação, auxílio-alimentação e auxílio-transporte. Sempre em defesa do SUS 100% estatal, gratuito e de qualidade.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Angicos: enfermagem aprova greve por unanimidade e chama ato para terça 19/04





Nesta quarta-feira 13/04 toda a enfermagem de Angicos se reuniu em assembleia no PSF Alto da Esperança. As trabalhadoras já vinham em um processo de diálogo com a gestão municipal, processo esse que foi abandonado de forma unilateral pela prefeitura. Considerando que as demais saídas se fecharam, profissionais votaram pelo indicativo de greve por unanimidade.

Considerando que as técnicas de enfermagem de Angicos recebem o equivalente ao salário mínimo, e as enfermeiras não tem qualquer reajuste desde 2012, bem como a não-concessão de benefícios legalmente previstos como auxílio-alimentação e auxílio-transporte, bem como a precariedade das condições de trabalho, em especial da única moto disponível para a categoria trabalhar; a pauta de greve aprovada foi:
  1. Reposição das perdas inflacionárias acumuladas e ajuste salarial na proporção de 38%;
  2. Auxílio-alimentação no valor de 20% do salário;
  3. Auxílio e melhorias no transporte de profissionais;
  4. Revisão da insalubridade de 20% para 40%;

A categoria também reafirma sua luta em defesa do concurso público e do SUS 100% público, gratuito e de qualidade. Neste sentido, convida a população para um ato da saúde nesta terça-feira 19/04, em frente à Prefeitura Municipal de Angicos, deflagrando a greve da enfermagem municipal.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Trabalhadores prometem ampliar resistência contra o fechamento do Hospital da Polícia

Trabalhadoras e trabalhadores decidem em assembleia resistir até o fim em defesa do Hospital da Polícia: deliberando 1) lançamento da campanha pela contratação de uma equipe de médicos plantonistas e 2) a definição de um dia de luta contra o fechamento nesta segunda-feira 18/04, a partir das 08h, na unidade.



Trabalhadoras e trabalhadores do Hospital da Polícia de Mossoró se reuniram em assembleia na tarde desta quarta-feira 13/04, contando com presença expressiva. A pauta discutida foi “Organizar a luta. Barrar o Fechamento do Hospital da Polícia de Mossoró”. No ato, profissionais, sindicato e a população realizaram falas defendendo o Hospital, contra o projeto de fechamento do governo, relembrando sua história e reafirmando sua necessidade para Mossoró e região.


Após dois atos públicos no Hospital, com a participação de servidores, usuários do SUS e representantes dos policias, e ampla divulgação da situação do hospital, frente à ameaça iminente do governo de transferir os poucos servidores que lá restam, o que levará inevitavelmente ao fechamento parcial da unidade, os trabalhadores se reuniram em assembleia para deliberar:  1) o início de uma campanha popular pela contratação de uma equipe de médicos plantonistas, no interesse de reativar a unidade em todo seu potencial; 2) realizar uma dia de luta contra o fechamento do Hospital da Polícia na segunda-feira 18/04, a partir das 08h.


Os profissionais do Hospital da Polícia garantem resistir com todos os meios legítimos contra o fechamento da unidade, para isso convidam os defensores do SUS para o dia de luta contra o fechamento do Hospital da Polícia, nesta segunda 18 a partir das 08h.  Mossoró não vai aceitar mais este ataque do governo Robinson. Nossos hospitais não podem pagar pela crise!