sexta-feira, 24 de junho de 2016

Ato dos servidores no Tarcísio Maia marca início da greve da saúde no interior




Os servidores do Tarcísio Maia realizaram um ato público no hospital nesta sexta-feira 24/06, marcando o início da greve estadual da saúde no interior do RN. Trabalhadoras e trabalhadores deflagraram greve nesta quarta-feira 22, em ato público na SESAP em Natal. 

O movimento paredista ocorre em um contexto de profunda crise econômica nacional, em que Michel Temer aprofunda o ajuste fiscal e tenta aprovar à força a reforma da previdência, que vai ameaçar o direito à aposentadoria do trabalhador brasileiro, e SUS sendo sucateado e desmontado pelos governos. Além disso, os servidores sofrem com 6 anos de congelamento de salários, sem qualquer proposta de reajuste por parte do governo, e que o funcionalismo público com o atraso dos salários e o não-recebimento do 13º.

O Hospital Tarcísio Maia, unidade que atende dezenas de municípios e o segundo mais frequentado do Estado, reflete o processo de destruição da saúde pública. Apresenta uma taxa de mortalidade de 58% na urgência, sofre com carências de equipamentos essenciais (como tomógrafos, glicosímetros, monitores de UTI, etc.), enquanto os trabalhadores adoecem com a desumana sobrecarga de trabalho. Quem mais sofre com todo este processo é o povo pobre que necessita do SUS, e este direito está sendo atacado pelos governos e pelo Congresso. Cabe à população denunciar este desmonte e ir à luta e às ruas pela construção de uma Greve Geral pra botar pra Fora Temer e todos eles, pedindo eleições gerais e a derrubada desta política econômica de ajuste fiscal: a verdadeira inimiga do povo pobre e trabalhador.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

''Taxa de mortalidade no Tarcísio Maia é de 58% na urgência'' - aponta relatório da OAB

A greve é pra sobreviver

A Ordem dos Advogados do Brasil publicou um relatório sobre as condições de trabalho e saúde do Hospital Regional Tarcísio Maia. O Sindsaúde Mossoró redigiu relatório sobre o mesmo tema entre fevereiro e março deste ano, relatório que foi inclusive anexado e confirmado elo documento da ordem.

O relatório traz novos dados e descobertas ainda mais alarmantes, atualizando a exposição do sindicato de meses atrás. Entre as conclusões, destaca-se a taxa de mortalidade de 58% entre os pacientes da UTI (praticamente 3 em cada 5 pacientes que vão a UTI no Tarcísio Maia perdem sua vida). 70% dos óbitos tem causa indeterminada. Foram detectadas inconformidade em todos os setores do hospital, sem exceção. O relato também apontou as relações entre a expansão do hospital e a extenuante sobrecarga de trabalho, que adoece as trabalhadoras e trabalhadores e que traz sofrimento psicológico para servidores e pacientes.

O relatório foi elaborado a partir de dezenas de visitas técnicas e centenas de entrevistas com servidores e usuários, a partir da Comissão de Saúde da OAB, sob supervisão do Dr. Elsias Nascimento. O Sindsaúde saúda a iniciativa da Ordem, agradecendo seu minucioso trabalho em defesa da saúde pública.

O sofrimento da população e o sucateamento da pública e dos nossos direitos tem uma raiz política. Não é por falta de conhecimento nem por má administração que a população não tem dignidade nas suas modestas necessidades, mas sim por uma opção clara dos governantes. Uma opção clara de privilegiar a si mesmos e aos ricos e poderosos, e fazer a classe trabalhadora pagar a conta da crise. Defendemos que os de baixo se organizem e construam uma greve geral, para botar pra fora todos eles e chamar por eleições gerais já. Somente a partir da nossa própria mobilização e das nossas próprias forças poderemos defender nossas poucas conquistas, que estão sendo atacadas uma a uma pela política de ajuste fiscal e desmonte do serviço público promovido por Temer, Robinson Faria e esse Congresso.

domingo, 12 de junho de 2016

Ato público dos servidores do Tarcísio Maia ocorrerá nesta quinta 16




Nesta quinta-feira 16 de junho ocorrerá o ato público dos servidores do Tarcísio Maia, a partir das 09h. O protesto será o último dos nove atos públicos mobilizados pelo Sindsaúde, tanto na capital quanto no interior. Também ocorrerá em meio ao dia nacional de lutas convocado pela CSP-CONLUTAS, com mobilizações em todo o país em defesa do serviço público e dos nossos direitos, pela construção da greve geral para barrar o ajuste fiscal, as privatizações, e para botar para Fora Temer e todos os corruptos do Congresso.

O calendário de mobilizações foi aprovado na última assembleia no dia 20 de maio. A iniciativa é preparar a categoria para a greve do dia 22 de junho e ter tempo de mobilizar os locais de trabalho. Os servidores também aprovaram a pauta de reivindicações da Campanha Salarial de 2016. Dentro dos principais pontos estão: calendário de pagamento dentro do mês, convocação de concurso público, atualização e pagamento das dívidas do Ipern e de precatórios, reajuste, tabela de qualificação, revisão da produtividade, isonomia no salário base, eleições diretas. 

O corte de 19 milhões da saúde do Estado por Robinson Faria afeta duramente o hospital Tarcísio Maia. O hospital é o segundo mais sobrecarregado do Estado, atendendo dezenas de municípios com carências substanciais de máquinas e de funcionários, além de material simples como sabão. Nesta segunda-feira 13/06 o Sindsaúde realizará reunião com a Ordem dos Advogados do Brasil sobre as carências e deficiências do hospital, em base ao relatório elaborado pelo Sindsaúde em fevereiro-março deste ano


sexta-feira, 27 de maio de 2016

Governo deixa faltar material para análise de sangue




Suspensão de procedimentos cirúrgicos, paralisação das transfusões. O cenário se tornou preocupante para os pacientes que precisam de sangue nesta semana. Os estoques esvaziaram, não por falta de sangue, e sim pela interrupção dos exames de sorologia no Hemonorte em Natal. Sem estes exames, não tem como analisar se o sangue está seguro para transfusão. E todo o sangue coletado é desperdiçado, pois o mesmo só tem data de validade de 5 (cinco) dias.

Os exames foram interrompidos pois o governo não supriu o Hemonorte com o material necessário para testar as bolsas de sangue (os chamados kits de sorologia). Sem o material necessário, não há como analisar o sangue, os estoques esvaziam e a saúde fica mais uma vez paralisada. Cirurgias são canceladas e a vida de milhares é ameaçada pelo esvaziamento dos estoques.

Estes problemas não são comuns. São um reflexo do processo de sucateamento que o SUS está sofrendo, do corte de verbas para a saúde pública e dos investimentos sociais em geral. A política de ajuste fiscal significa mais cortes e sofrimentos para o povo pobre, para desviar mais dinheiro para pagamentos de juros à banqueiros e agiotas internacionais, para a chamada dívida pública. Com o ajuste fiscal de Dilma/Temer, que os governadores e prefeitos adotam também, a classe trabalhadora só tem a perder. Devemos denunciar o descaso do governo e reivindicar nossos direitos, mesmo que para isso tenham que sair aqueles que são contra o povo.  Cada vez mais se torna necessário engrossar a luta, para defender nossas conquistas.

Exigimos o suprimento dos kits de Sorologia, já! As vidas não podem esperar!
Condições de trabalho para os servidores do Hemonorte!
Todas e todos à paralisão unificada dos servidores em 02 de junho, as 09h, com ato saindo do Walfredo Gurgel!
Construir a greve geral! Fora Todos! Eleições Gerais Já!

quarta-feira, 18 de maio de 2016

30 anos de Tarcísio Maia. Quem merece os parabéns?



O Hospital Regional Tarcísio Maia completa 30 anos neste maio de 2016. Atende dezenas de municípios do oeste potiguar e é o segundo hospital público mais movimentado do estado. É o nosso maior patrimônio da saúde pública, do qual dependem as vidas de centenas de milhares de pessoas de Mossoró e região.


Lamentamos que os governos, invés de reconhecer a importância deste patrimônio, tratem-no como um gasto desnecessário, um fardo. Que permitam que as trabalhadoras e trabalhadores adoeçam e morram de tanto trabalhar, ao não realizar o concurso público tão prometido. O ajuste fiscal é o meio pelo qual a classe política joga a crise nas costas da classe trabalhadora: cortando da saúde, educação, moradia, reforma agrária, e nossos poucos direitos. Dilma começou cortando, sucateando da saúde. Já no governo Temer, o novo ministro da saúde Ricardo Barros, corrupto patrocinado pelos planos de saúde, já anunciou que planeja o golpe de misericórdia para privatizar o SUS. Não é por acaso que os servidores da saúde de todo o estado já se posicionaram pela construção de uma greve geral, para pôr para fora todos esses inimigos do povo, pela convocação de eleições gerais.

Nestes 30 anos do Tarcísio Maia, quem merece todos os parabéns é a categoria dos servidores da saúde que lá trabalham. Que enfrentam sobrecargas inacreditáveis de trabalho. Que vivem sua vida para salvar outras vidas. Que fazem o impossível para cumprir seu papel, mesmo faltando respiradores, leitos, remédios, material de higiene. Mesmo em meio ao colapso da saúde pública, damos os parabéns para as servidoras e servidores do Hospital Regional Tarcísio Maia. Na organização e movimento da nossa classe, a classe trabalhadora, depositamos a esperança de vencermos a crise com nossos direitos preservados. Sempre em defesa do SUS 100% público, gratuito e de qualidade.

domingo, 8 de maio de 2016

Angicos: Greve da enfermagem termina com vitória das servidoras





A greve da enfermagem de Angicos se encerrou nesta quarta-feira 04/05, após duas semanas de paralisação, com vitória das servidoras municipais de Angicos. Com o acordo de greve assinado, a categoria conquista:

1. Adicional de insalubridade fixado em 40%;
2. Custeio da moradia para as trabalhadoras que moram em outras cidades;
3. Avançar na implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários;

Prefeito tentou criminalizar greve,  mas a luta das trabalhadoras prevaleceu

A greve foi decidida por unanimidade em assembleia da enfermagem realizada na quarta-feira 13/04, após o não avanço dos diálogos com a gestão municipal. As trabalhadoras chamaram um ato público em frente à prefeitura na terça-feira, 19/04, que teve adesão dos estudantes universitários e que bloqueou o trânsito em frente à prefeitura. No decorrer da greve, o prefeito Júnior Batista (DEM) pediu a suspensão do movimento na justiça, mas foi derrotado por uma liminar, e a greve continuou. Após um novo protesto convocado pelo Sindsaúde Mossoró em frente à sede do executivo municipal, na segunda 02 de maio, o prefeito aceitou negociar com as trabalhadoras e cedeu em parte das reinvindicações.

A greve acabou mas a luta continua

A maior vitória da greve não são os ganhos econômicos, mas a consciência de que só a luta e a união entre os trabalhadores podem mudar nossa vida. Com o ajuste fiscal de todos os governos, que jogam a conta da crise nas costas da classe trabalhadora, é necessário se manter firme para mais ataques que virão. Neste sentido, o Sindsaúde, junto das servidoras de luta de Angicos, compromete-se em manter uma campanha pelas 30 horas, pelo reajuste salarial para suprir as perdas da inflação, auxílio-alimentação e auxílio-transporte. Sempre em defesa do SUS 100% estatal, gratuito e de qualidade.